Joseph Anton

Salman Rushdie foi “condenado à morte” por essa figura tenebrosa de que muitos nos lembramos, aiatola Khomeini, no dia dos namorados, 14 de Fevereiro de 1989. A Fatwa …

Começou uma nova vida nesse dia, saltando de casa em casa, deteriorando a vida familiar, sentindo-se constrangido intelectual e fisicamente. Mas não se deixando ficar refém de um medo que lhe amputasse a actividade criativa. Hoje, temos nele uma referência autêntica de luta por uma vida como homem livre. Uma luta que nada tem a ver com essas tantas vezes falsas resistências anti -fascistas, fabricadas, como alicerces de currículo político de gente triste e medíocre. Gente que não incluo no grupo dos genuínos resistentes das ditaduras. Mas para uns, só são resistentes e lutadores,e só têm mérito de respeito os lutadores anti-fascistas.

Rushdie pertence a uma classe humana à parte. Um privilegiado, com uma inteligência criativa superior. Um monstro das letras mundiais. E um exemplo de lutador pela Liberdade de expressão.

Hoje, relembro-o, por estarmos a viver se novo este medo do terror que o terror nos quer infligir.

Recomendo o último livro dele, publicado em português, para o qual escolheu o seu nome de refugiado do terror, inspirado em dois escritores que Rushdie admira, Joseph Conrad e Anton Tchekov, “Joseph Anton”.

Sobre a indiscutível qualidade, nem vale a pena discorrer, Rushdie vale por si e as suas obras, por ele. O livro é uma homenagem aos amantes da Liberdade, que só existe numa minoria dos países deste mundo. Que a loucura pseudo-religiosa pretendeu por em causa.

Leia-se Rushdie, vale a pena tentar perceber.

2015/01/img_0452.jpg

Karl Ove Knausgaard: A minha luta

Knausgaard segue a sua escrita num ritmo coordenado pelo do seu pensamento. Como se se sentisse cada palavra a ser produzida, ao ritmo da passada da sua vida. Pulsante. A sua escrita reflecte um pensamento, e muito sentimento, eminentemente pessoal. A sermos crentes, e ele nos levará a essa fé, estou certo, é impressionante a memória que reservou dos seus dias de jovem e criança. Não de impressões gerais e de uma nebulosa recordação, mas de locais, objectos, expressões das pessoas, e dos próprios pensamentos, trinta anos após, ou antes.

Mas é um prazer ler uma escrita eloquente e rica. Um pensamento culto e que parece vacilar entre lucidez e dúvida filosófica. Sentimos-nos a passear pelo tempo. E nos espaços a que os seus passos nos conduzem. Passamos pelas sombras e luzes de Karl Ove, quase entrando na sua memória, um monumento à mente humana.

Este género literário nunca me havia cativado. Prefiro viajar entre ensaios e histórias ficcionadas. A realidade, nua, da vida de um escritor nunca me agarrou. Mas desta vez, rendo-me a esta qualidade superior, liderado por uma inteligência descritiva incomparável.

Vou seguindo lentamente, entre outras leituras várias, desfrutando. Acompanhando cada pisar de cada folha no passeio de uma rua, cada pensamento que salta a esse ritmo, doloroso e realista, mas corajoso.